Destaques

CINCO SUGESTÕES PRÁTICAS PARA A GESTÃO DO TRABALHO NA VOLTA DA PANDEMIA

Caio Andrade
Escrito por Caio Andrade
Ajudamos você

Quer ter aconselhamento? Deixe seu email

Se a pandemia trouxe incertezas, o retorno pode ainda parecer tão difícil quanto. Porém, listei algumas dicas que ajudarão na sua gestão de volta e na confiança com os membros da equipe.

Entenda que o time se acostumou ao remoto, você tem que administrar o novo normal e considerar que talvez a sua equipe possa sim continuar a trabalhar dos dois modos.

Aí estão algumas recomendações:

1. Reforce o alinhamento das expectativas e prioridades do escritório daqui pra frente.

Para a fluidez de uma boa gestão é preciso que as expectativas quanto ao projeto estejam cristalinas e condizentes com a realidade da equipe para que as devolutivas não sejam um fardo.

As tarefas prioritárias também devem ser de conhecimento de todos e diariamente revisadas ou ainda atualizadas para que cada membro adeque a sua rotina de trabalho em favor daquilo que realmente é importante. Essa mentalidade diminui a possibilidade de procrastinação, além de favorecer o foco.

Criar um workflow, um manual de regras e práticas do setor é outra dica para pôr em prática. Mesmo que com uma equipe in loco e outra em home office, precisam estar alinhados os novos ritos. A expectativa é que a maturidade da equipe favoreça um trabalho sem muitas reuniões, mas a objetividade.

2. Mantenha a rotina dos checkpoints (as famosas reuniões de feedback de 5min)

Acredito que o maior trabalho do gestor seja difundir o entendimento de que o trabalho sendo remoto não pode gerar o distanciamento dos membros, portanto, parte da liderança a manutenção da proximidade e interações diárias, individual e em grupo. Aqui vale apostar em meios alternativos, que não sejam apenas o mecanismo de reunião virtual e aquele roteiro pré-estabelecido. Permita que os membros da equipem colaborem com a solidez do relacionamento.

O tempo de pandemia nos permitiu entender o porquê o simples “como vai você?” é tão significativo. Assim como cada um acabou por dividir as suas reais necessidades, nesse novo tempo a postura deve ser mantida, somada ao respeito à limitação individual, conversas simpáticas, dispensada a rigidez ensaiada.

3. Atente para as métricas e indicadores, divida essa atividade com alguém da equipe para lhe ajudar nas estratégias.

Possuir boas métricas são fundamentais para a gestão, e as condições hibridam de modalidade de trabalho só favorecem.

Indicadores de produtividade, mesmo que invariáveis, são essenciais para detetar as ineficiências do processo (workflow, p. ex.). Eles são instrumentos para indicar pontos de atenção que devem chamar a atenção do time, das lideranças e da gestão, são os famosos gatilhos.

Consideram que os melhores indicadores ainda são aqueles que autorizam ações de mudanças no processo por qualquer um dos membros da equipe, retirando do líder o dever obrigatório dessa ação e dividindo com os demais a responsabilidade pelo projeto.

Com o passar dos dias, é possível antecipar a solução dos problemas, muitos deles que já existiam há muito.

4. Use boas ferramentas de gestão.

Naquelas equipes onde o trabalho remoto foi uma novidade, a retomada dos trabalhos sem preparação pode ainda ser pior. Para minimizar o impacto, recomendo a manutenção do escritório virtual e das ferramentas interativas. Além de se manter atualizado às tendências do mercado, o gestor permite a consolidação dos novos hábitos e continua permitindo a mudança de outros.

Aqui no escritório adotamos de vez o Zoom como ferramenta de teleconferências para a equipe, por favorecer o compartilhamento de telas e documentos; mas com os clientes, preferimos o uso do Google Meets, já que é a plataforma escolhida pelo Tribunal Regional para a realização de audiências telepresenciais. Assim todos acabam por aprender o uso do digital nas suas várias necessidades.

As atividades colaborativas de criação e acompanhamento de projetos, que geralmente são feitas em post its, fazemos com o Trello. Fácil, prático e tem modelos para inspiração.

Ainda, é importante ter ferramentas para registrar demandas processuais e demais rotinas jurídicas, além de contribuir para as métricas e indicadores, evitando sobretudo a perda de prazos. Por aqui usamos o SAJAADV, no plano pago, o que inclui leitura e acompanhamento de publicações. Talvez o melhor investimento feito no escritório no último ano.

Se esse não foi um projeto para a época de pandemia, talvez seja preciso esperar um pouco para trocas de softwares mais complexos. Mas vale usar ferramentas gratuitas que coordenem as atividades do grupo.

5. Não esqueça que independente da modalidade, o trabalho é feito por pessoas. Então, relaxe e aproveite os bons momentos com a sua equipe.

Não existe o truque para o bom funcionamento do grupo de forma instantânea, mas cumpre ao gestor um retorno às atividades “normais” com menos tensão, priorizando o respeito e o que cada um pode contribuir, não esquecendo que a confiança é o segredo da alta performance de uma equipe.

Permanecemos em mudanças intensas e difíceis. Os últimos dias trouxeram novidades e a lista de incertezas só aumentaram. Obviamente, todos queremos manter ou aumentar a produtividade dos dias bons, mas exigir rapidez sem amadurecimento é tão pior quanto estagnar um processo. Parar de trabalhar em um mesmo ambiente físico, começar remotamente e agora retomar é uma lição para ser aprendida com o tempo. Prepare-se para as novas variações de produtividade, mas entenda que isso é passível de solução.

Deixe uma resposta

O que achou? Conte para nós.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

l